1.3.08

Do outro lado do horizonte

"If you want feel at home, stay at home!” Esta frase relata bem o meu estado de espírito na terra que o explorador Américo Vespúcio (Amerigo Vespucci) deu o nome. Não só porque tenho imensas saudades da família, principalmente de uma certa pessoa, mas também porque as diferenças culturais e ideológicas dos americanos são difíceis de digerir. Sempre imaginei que já tinha presenciado todo o tipo hipocrisia, mas infelizmente enganei-me! Aqui, quando entramos num bar ou em qualquer evento desportivo, temos sempre que mostrar o passaporte para verificar se temos mais de 21 anos, mesmo que as parecenças tendem mais para o Avô Cantigas do que para a adolescência. Se, por um acaso, o barman achar que estamos a beber para além do admissível, não nos serve mais bebidas, por mais que insistamos, pois está a infringir a lei! Após questionar o porquê de todas estas restrições, disseram-me que estas medidas são para proteger os utentes.
No entanto, as rigorosas proibições parecem completamente hipócritas no País em que a venda de armas é totalmente aberta a qualquer pessoa. Uma história caricata passou-se com um colega meu Norueguês, com boa apresentação e na casa dos seus 40 anos, que decidiu ir jantar sozinho a um restaurante. Sentou-se, escolheu o menu e pediu um vinho para acompanhar o repasto. Qual foi o seu espanto quando o empregado informou que só podia vender um copo de vinho em vez da garrafa! Será isto normal? Restringir ao máximo a venda de bebidas alcoólicas e deixar a venda livre de armas! Não será um controlo parecido com o antigo regime dos países de leste e da União Soviética?

7 comentários:

Pedro C. Azevedo disse...

É impressão minha ou andas a roçar perigosamente os limites da dependência do álcool?

João Cruz Vilaça disse...

É impressão tua, mas mesmo que quisesse não me deixavam!

Raquel disse...

É sempre bom acompanhar as notícias vindas "do outro lado do horizonte"!! Que continue tudo a correr bem... Beijinho

João Cruz Vilaça disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Cruz Vilaça disse...

Obrigado Raquelinha. Beijinho.

Nuno Braga disse...

Para o "avô cantigas" um grande abraço e votos de um futuro risonho do outro lado do horizonte!

João Cruz Vilaça disse...

Preciso que não esteja a falar sobre a minha pessoa, eu, Avó Cantigas!!. Grande Abraço